Newsletter

Seja o primeiro a receber novidades da Festa do Peão de Barretos

Verdades e mentiras sobre o Rodeio

Alguns mitos ainda prevalecem na cultura brasileira quanto ao tratamento concedido aos animais que participam das provas de rodeio. Muitas vezes, por desinformação, este esporte gera equívocos que acabam denegrindo sua imagem. Confira abaixo o que realmente acontece no rodeio de Barretos.


O Sedém machuca os animais?

Não. Há mais de 15 anos este equipamento foi pesquisado por um grupo de profissionais. O resultado, publicado na revista de Educação Continuada, do Conselho de Medicina Veterinária do Estado de São Paulo, demonstrou que o sedém não provoca dor ou maus tratos. O estudo foi ainda corroborado pelos resultados obtidos pelo professor Dr. Henrry Birguel Jr., da USP.
O Sedém fere o couro e aperta os testículos dos animais?

O Sedém fere o couro e aperta os testículos dos animais
Não. Em cavalos, o Sedém deve ser de lã ou neoprene revestido, já o utilizado em touro é de algodão com uma consistência macia. As regras do rodeio de Barretos não permitem quaisquer objetos não descritos em lei. O Sedém nunca é apertado o suficiente para causar lesão ou dor. Colocado ao redor da área abdominal, ele é um "sinal" para o animal que "é hora de pular" e não toca os genitais. Inclusive, muitos dos animais com melhor performance são éguas.
Os animais de rodeio são tratados cruelmente?

Os animais de rodeio são tratados cruelmente
Não. Estes animais são tratados como verdadeiros atletas, com dieta balanceada, treinamento para fortalecimento dos músculos e acompanhamento veterinário constante. Para o proprietário é importante que este animal esteja bem de saúde, caso contrário ele não participa das competições. Além disso, animais competidores são aposentados por hábito de seus proprietários. Exemplo disso é o cavalo Panther, da Cia. Vale da Piedade, que após participar do Desafio de Bem em prol do Hospital de Câncer de Barretos em 2011, se aposentou aos 20 anos de idade.
A incidência de lesões nos animais de rodeio é excepcionalmente alta?

Pelo contrário. A taxa de lesões em animais no rodeio é extremamente baixa, menos de cinco centésimos de um por cento. Os resultados são baseados em uma pesquisa recente da PRCA - maior associação de rodeio do mundo - envolvendo 75.472 participações de animais, 194 apresentações de rodeio e 78 slacks (qualifying). No rodeio de Barretos, nos últimos 25 anos, o índice é de 0,0004%, em mais de setenta mil provas realizadas.

É importante lembrar que, na natureza e nas fazendas, devido a causas como infecção de umbigo, diarreia, babesiose, acidentes, entre outras, a taxa de mortalidade de bezerros é de 10%, de acordo com a EMBRAPA. Somam-se a esse percentual tantos outros que, já na fase adulta, morrem em decorrência de acidentes ofídicos, aftosa, tuberculose, carbúnculo, etc, aumentando significativamente este percentual.
As esporas machucam os animais?

As esporas machucam os animais
Não. A pele desses animais é de cinco a sete vezes mais espessa do que a pele humana. Outra questão é a de que em Barretos, as esporas permitidas seguem as especificações da Lei Federal, cujas pontas são arredondadas. Os competidores que violam essa regra recebem multa, suspensão e/ou desqualificação. Para eliminar qualquer chance de violação da regra por algum competidor está desenvolvendo uma espora de borracha a pedido de Os Independentes, entidade organizadora da Festa do Peão de Barretos.
Os animais do rodeio de Barretos são forçados a pular através do uso de choque elétrico?

Os animais do rodeio de Barretos são forçados a pular através do uso de choque elétrico
Isso seria impossível já que é sabido cientificamente que o choque elétrico provoca rigidez muscular paralisando, portanto, a musculatura do animal, dificultando sua movimentação impedindo seu impulso para o salto. O leigo, na verdade, confunde o choque elétrico com o estímulo fisio-elétrico. O choque elétrico é constituído por voltagem somada a amperagem formando assim corrente contínua enquanto o estímulo fisio-elétrico contém apenas amperagem não formando corrente contínua. Na prática, podemos correlacionar esse condutor elétrico com o chamado “tens” utilizado em fisioterapia humana e que está sendo objeto de estudo por Os Independentes. Devido à excelente estrutura dos currais e bretes da arena de rodeio e pastagens do Parque do Peão (2 milhões de metros quadrados), os animais normalmente são conduzidos com tranquilidade para as provas.
Existe fiscalização no rodeio de Barretos?

Existe fiscalização no rodeio de Barretos
Verdade. Barretos conta com cinco veterinários que atuam no Parque do Peão durante o evento. Além disso, estes profissionais são acompanhados por dezenas de estagiários provenientes de cursos de Medicina Veterinária de todo país. O evento também é inspecionado pela Secretaria da Agricultura e Controle de Zoonose. Durante as provas, os fiscais de brete atuam para garantir a regularidade no uso de equipamentos do competidor e dos animais.
O rodeio de Barretos esconde as ações de maus tratos?

Mentira. Como prova da transparência no trato com os animais no evento de Barretos, anualmente, Os Independentes convida diversas Associações Protetoras de Animais, via cartório de registros e através da imprensa, para acompanhamento de todo o manejo das provas realizadas.

Diversos especialistas já acompanharam os procedimentos realizados em Barretos e nos laudos documentados oficialmente, e endereçados ao Ministério Público e Poder Judiciário consta o que segue abaixo:

Laudo Pericial – Dr. Paulo Gustavo Borges Campos – Médico Veterinário – Proc. 2576/2006 – 2ª Vara Cível de Barretos, página 587 "Analisando os fatos presenciados na festa do peão junto com minha vivência de campo, utilizando-me da avaliação visual acredito que o sedém não provoca dor."

Laudo Pericial - Prof. Dr. Stélio Pacca Loureiro Luna - médico Veterinário e professor – Proc. 2576/2006 – 2ª Vara Cível de Barretos, página 580 Conteúdo descrito pelos peritos presentes Dr. Paulo Gustavo Borges Campos e Prof. Dr. Stélio P.L.Luna: "na presença APENAS do sedém o animal não salta".

Palavras do Prof. Dr. Eduardo Harry Birguel Jr., da Faculdade de Medicina Veterinária da USP – Professor de Clinica de Grandes Animais. Processo 943/97-Americana "Contra a hipótese de dor pesa o fato dos bovinos não terem demonstrado dor com a aplicação do sedém e dos equinos terem pulado e corcoveado em condições nas quais posso assegurar que a dor não existia (uso do sedém de espuma).............."


Existe fiscalização no rodeio de Barretos
Palavras do Prof. Bernard Rollin Ph.D da Colorado University-USA e do Prof. Ed Pajor Ph.D da Calgary University-Canadá, especialistas em Bem Estar Animal, em comunicação pessoal por ocasião de solicitação de esclarecimentos por parte do Sr. Consul Paul Brunet e da Srª Ministra do Exterior do Canadá Srª Diane Ablonczy:
"the flank strep has no relation whith pain" (o sedém não tem relação com dor).